http://comandoestelar.zip.net/

sábado, 26 de dezembro de 2015

A MENSAGEM DO NATAL - POR RAUL BRANCO

O Natal é uma das comemorações mais populares da cultura ocidental. Dependendo do nível em que essa comemoração é feita a mensagem do Natal assume diferentes matizes. Em sua origem ela era eminentemente religiosa. Com o tempo, especialmente no último século, aspectos comerciais passaram a ter uma crescente primazia sobre a fundamentação histórico/religiosa da comemoração do nascimento do Cristo.
Mesmo quando as comemorações natalinas assumem o caráter de uma mera festa de ‘aniversário’, com ênfase nos aspectos comerciais e sociais, a mensagem do Natal apresenta um sentido mais profundo. A natureza divina, escondida no âmago de todos os seres e de todas as coisas, aproveita todas as ocasiões para se manifestar, ainda que timidamente, como ocorre nas festividades natalinas tradicionais. Em meio a todas as festas e comilanças costumeiras da ‘ceia de Natal’, algumas qualidades divinas se fazem sentir: (1) a generosidade na troca de presentes; (2) o acolhimento de parentes e amigos, mesmo aqueles um tanto distanciados; e (3) a alegria generalizada dos participantes.
Assim, para a grande maioria da população, a mensagem do Natal é de que a comemoração do nascimento do Filho de Deus é motivo de regozijo para todos, ainda que a razão para a alegria nem sempre seja entendida profundamente pelos participantes.
Antes de examinarmos a comemoração natalina em mais profundidade, convém lembrar que a historicidade da data do nascimento de Jesus está sujeita a grandes controvérsias. Até meados do século IV, grande parte dos cristãos, especialmente em Roma, comemorava o Natal em vinte e cinco de março. O Papa Júlio II, numa manobra eminentemente política, decretou, no ano 354, que o nascimento do Cristo seria comemorado em vinte e cinco de dezembro, para coincidir com a data em que era comemorado o nascimento de Mitra e de Baco. Como as comemorações de Mitra e Baco eram muito populares naquela época, as festividades natalinas dos cristãos entraram em sintonia com o sentimento popular daquele período do ano e passaram a refletir a alegria do povo romano com os tradicionais eventos pagãos.
Com isso, na prática, Jesus foi equiparado pela Igreja aos outros grandes representantes do Deus Sol na Terra, pois o dia vinte e cinco de dezembro coincide com o solstício de inverno no hemisfério norte, quando ocorre a noite mais longa do ano e, portanto, a escuridão é mais profunda. Nessa data, com o nascimento do sol, os dias passam a aumentar sua luminosidade gradativamente. Por isso, muitos dos grandes seres reconhecidos como portadores da Luz, independentemente da cultura e período histórico, são geralmente apresentados como tendo nascido naquela data simbólica.
Mas a questão histórica do nascimento do Cristo é bem mais complexa. Existem mais de 136 datas sugeridas por diferentes historiadores e grupos cristãos como sendo a verdadeira data do nascimento do Cristo. Assim, a historicidade do evento deixa de ser o fator principal da comemoração. A simbologia passa a ser mais relevante.
O segundo nível da mensagem do Natal é o entendimento do significado mais profundo da simbologia em que o nascimento do Deus criança é apresentado no relato evangélico e na iconografia cristã. Esse nível é especialmente importante para o número crescente de indivíduos que estão despertando para a busca espiritual e sentem em seus corações que existe mais na simbologia natalina do que as Igrejas ensinam aos seus fiéis e crentes.
Vejamos o significado dos principais símbolos natalinos. O nascimento do Filho de Deus é anunciado à Maria, pelo Arcanjo Gabriel. O Arcanjo da Anunciação representa o espírito recôndito no homem. Maria representa a inteligência divina, a alma espiritual em cada ser humano. Somente ela é capaz de ouvir a voz do espírito supremo que vive no interior dos interiores. O nascimento do Cristo infante representa o despertar do amor divino e da intuição. Como esse nascimento é inteiramente espiritual e transcende os planos materiais, ele é realmente imaculado. Por outro lado, no sentido astrológico, por ocasião do solstício de inverno, o sol nasce no horizonte no Signo de Virgem. Esse é outro significado do nascimento virginal de Cristo e de outros salvadores do mundo que são apresentados como nascendo nesta data.
José, o esposo de Maria, representa a mente formal, lógica do ser humano. Assim, os dois formam um par que abrange os dois aspectos da mente, concreta e abstrata. A mente formal, ainda que valiosa e imprescindível para nossa vida terrena, é incapaz de gerar a intuição. Portanto, José não é apresentado como sendo o ‘pai’ de Cristo, mas sim o seu padrasto. A mente concreta de um iniciado avançado é extremamente útil para sua ação no mundo. Portanto, José passa a cuidar amorosamente do infante com todo desvelo. Nesse sentido, os insights intuitivos (Cristo) nascem na mente abstrata (Maria), mas devem ser apresentados ao mundo pela mente formal (José), que reveste com palavras e conceitos a experiência iluminada interior.
Uma série de circunstâncias especiais, de natureza simbólica, cerca o relato bíblico do nascimento de Cristo. Belém, onde Cristo teria nascido, pode ser considerada como representando a humanidade, tanto em seu sentido espiritual como no material. A estalagem, onde o casal busca abrigo inicialmente, representa o lugar onde os interesses materiais pessoais são expressos (kama-manas). Conseqüentemente, é dito no relato evangélico que ela estava ‘cheia’. Assim, não era possível acomodar a divina família. Num paralelo apropriado, a mente ‘cheia’ de pensamentos e apegos materiais não oferece as condições necessárias para que a luz interior possa surgir. O maravilhoso nascimento da consciência crística não pode ocorrer no âmbito da mente mundana, dominada pela busca dos prazeres pessoais e pelo atributo da possessividade.
Portanto, o casal é encaminhado para o estábulo, simbolizando a mais completa humildade e distanciamento dos interesses do mundo. A manjedoura representa o corpo etérico, a fonte de vida e nutrição para o corpo do divino Ser que ali será colocado. Num outro sentido oculto, a manjedoura do estábulo representa um santuário secreto, desprezado pelas pessoas mundanas como um lugar de alojamento, mas usado para promover o nascimento místico em meio das augustas presenças dos pastores e dos magos.
Os pastores na iconografia não cuidam de animais, mas sim de almas. São os Irmãos mais Velhos da Humanidade que guiam aqueles que estão prontos para a grande transformação, descrita como o nascimento do Cristo. Os magos dirigem-se ao local do evento guiados por uma estrela, que simboliza a Luz do Iniciador Uno de nosso planeta, responsável pela aceitação e capacitação dos novos Iniciados. Esses magos representam a tríplice natureza superior, divina em verdade, do discípulo que está sendo iniciado, referida como atma, buddhi e manas, em sânscrito. Os presentes que conferem ao divino infante: ouro, incenso e mirra, representam a vontade espiritual, o amor/sabedoria e a inteligência superior. Com esses “presentes” o Iniciado, agora Cristificado, pode atuar no mundo tornando-se um auxiliar dos Grandes Seres no grande plano de salvação da humanidade.
Até mesmo os animais que se encontram no estábulo têm um significado simbólico. As vacas e ovelhas representam a natureza animal do homem, com seus desejos e paixões. Porém, na alegoria bíblica, esses animais são inteiramente domesticados, ou seja, superaram seu estado selvagem e agora servem docilmente seu divino Senhor. Mais tarde na vida do Cristo, outro animal, no caso um jumentinho totalmente domesticado, servirá como o veículo necessário para levar o Cristo até a Cidade Santa, que simboliza o Reino dos Céus. Ou seja, para que o ser humano possa entrar na consciência da União com Deus, o Reino do Céu, ele necessita que seu quaternário inferior, seus quatro corpos para atuação no mundo terreno, seja inteiramente domesticado para seguir com eficiência as ordens de seu Senhor.
A mensagem do Natal para todo aquele que procura entender o significado mais profundo por trás do relato bíblico do nascimento do Cristo é de que esse evento não foi restrito no tempo e no espaço ao Cristo histórico. Muito pelo contrário, o propósito desse relato é estender um convite permanente a todo aquele que for tocado por seu simbolismo, para se preparar para o nascimento do Cristo em seu próprio coração.
Nesse segundo nível a mensagem do Natal é um convite para que venhamos nos juntar ao Cristo histórico, para nos tornarmos também ‘pescadores de homens’.
O nível mais sutil e profundo da mensagem do Natal é dirigido àqueles poucos homens e mulheres que experimentam a divina insatisfação e se determinam a ‘nascer de novo’, como o Mestre exortou a Nicodemos, que simboliza todo aspirante que anseia dar o próximo passo na Senda. Pode parecer estranho que a insatisfação tenha um papel relevante na vida de um aspirante. Porém, enquanto o indivíduo não estiver insatisfeito com a vida deste mundo, com seus prazeres sensuais, consumismo, apego aos bens materiais, ambição e status, ele não terá o incentivo para proceder à mudança radical de vida implícita na Senda espiritual.
Esse estágio já foi aludido de forma enfática por um profundo místico alemão, que escreveu, sob o pseudônimo de Angelus Sillesius, uma mensagem que até hoje ecoa nos corações das almas maduras: “Ainda que Cristo venha a nascer mil vezes em Belém, mas não em teu coração, continuarás triste e miserável. A cruz do Gólgota contemplas em vão, a menos que ela seja erguida em teu coração.”
O conhecimento teórico do significado simbólico da iconografia bíblica do nascimento de Cristo tem como propósito nos incentivar a trazer esse conhecimento para a nossa experiência prática. Assim como nossa fome física é estimulada pela visão de um lauto banquete e reforçada pelo aroma dos diferentes pratos, a fome só será saciada se tivermos a determinação de ‘pagar o preço’ para nos sentarmos à mesa do banquete. Nesse caso, o preço simbólico é a renúncia do mundo terreno, expressa por Jesus como “Não a minha, mas a Tua vontade seja feita Senhor”. O amor e a entrega a Deus são as duas pernas simbólicas com que o místico caminha resolutamente rumo a sua meta de união com Deus.
Portanto, o terceiro nível da mensagem do Natal implica em nossa transformação de pessoas que meramente ‘assistem’ às comemorações de mais um aniversário do nascimento do Cristo histórico, em discípulos determinados em se tornarem participantes ativos do eterno drama encenado. O nascimento do Cristo não mais será visto como algo ocorrendo no exterior, mas como a coroação de nosso propósito de vida, o nascimento de Cristo em nosso coração. Com isso ‘entraremos na corrente’, como dizem nossos irmãos do oriente, e teremos a garantia de ‘alcançarmos a outra margem’, quando então nos tornaremos ‘homens justos, alçados à medida da estatura da Plenitude de Cristo’.

A mensagem do Natal é atemporal. Ressoa eternamente em nossos corações. Cabe a cada um de nós decidir em que nível de mensagem queremos nos sintonizar. Que a Luz de Cristo ilumine nossos corações, que a Energia do Pai nos dê força e determinação para trilharmos a Senda até sua gloriosa meta final e que a inteligência da Divina Mãe nos guie para que possamos superar todos os obstáculos que continuarão a surgir ao longo do caminho.



Raul Branco é gaúcho, nascido em Vacaria em 1938. 
Formou-se em economia no Rio de Janeiro e obteve o doutorado na Universidade de McGill, no Canadá.  Lecionou em várias universidades dos Estados Unidos, trabalhou na Organização das Nações Unidas (ONU), em New York, Genebra e Roma, por 13 anos, participando de diversas conferências internacionais e missões de assistência técnica. De volta ao Brasil trabalhou em várias funções no Ministério de Minas e Energia. Atualmente está aposentado e vive em Brasília.  Seu despertar espiritual ocorreu aos 49 anos, quando começou a buscar no yoga, no budismo, no vedanta e na teosofia respostas para as incessantes perguntas de seu coração. Descobriu, finalmente, que não precisava buscar longe o que estava perto, ou seja, o cristianismo primitivo pouco conhecido em nossa tradição cristã.  
Traduziu e comentou um antigo texto da tradição esotérica cristã, publicado como Pistis Sophia, os Mistérios de Jesus, e escreveu o livro Os Ensinamentos de Jesus e a Tradição Esotérica Cristã.  
Escreveu vários artigos e faz palestras sobre a vida espiritual e o cristianismo.

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Dilapidando o coração - formando o diamante sagrado





Alquimia


Isis Resende
Diz a tradição Antiga que para se ver a luz é preciso dar três passos de tamanhos diferentes. A Alquimia nos fala de três estágios: o Nigredo, o Albedo e o Rubedo.
Na primeira parte de “A Voz do Silêncio” é feita uma afirmação relacionada aos três estágios da tradição Alquímica, ao destacar que “três Salas, ó cansado peregrino, conduzem ao fim dos trabalhos. Três Salas, ó conquistador de Mara, te trarão através de três Estados até o Quarto, e daí até os sete Mundos, os Mundos do Descanso Eterno”. Jung nos explica, baseando-se na tradição Alquímica, que quando uma pessoa volta-se para si mesma, para o seu interior, a primeira coisa que encontra é a sua sombra, (seus defeitos, suas imperfeições, tudo o lixo que foi se acumulando no passar dos séculos). É preciso dar um pequeno passo para ver-se neste lodo, neste Nigredo, nesta Sala das Tristezas, também chamada Avidya. Há um momento em que a pessoa consegue equacionar a sua problemática maior e como num passe de mágica, as coisas começam a dar certo. É preciso dar um passo um pouco maior para que isto possa acontecer. Passa-se ao estágio do Albedo. 
Neste estágio há perigos. A Voz do Silêncio chama esta etapa de Sala de Instrução ou das Provações e coloca a respeito dela: “Nela a tua Alma encontrará as flores da vida, mas debaixo de cada flor uma serpente enrolada”. Evidentemente há alguma luz nesta Sala; se não, não teria sido possível abandonar o Nigredo. Nesta Sala se encontram as flores da vida, a beleza, aquilo que de uma certa forma funcionou para sair do Nigredo. Uma das serpentes óbvias desta etapa é vaidade, a pessoa se acha o máximo, porque efetivamente equacionou aquela problemática mais dura que o Nigredo representava. Neta Sala há um bem estar, fruto do equacionamento daquilo que mais machucava. Mas efetivamente ele ainda está muito longe da luz, é preciso dar um passo maior ainda para que seja possível a bênção da luz. Esclarece sobre o Albedo a Voz do Silêncio: “Acautela-te Lanoo, não vá tua Alma, entontecida pelo brilho ilusório, demorar-se enredar-se na sua luz enganadora. Esta luz brilha na jóia do grande enganador. Enfeitiça os sentidos, cega o espírito e deixa o incauto naufragado e sozinho”. Como já se resolveu uma parte do problema, daquilo que mais doía, acha-se que, com jogo de cintura, é possível ficar nesta Sala. Ali tudo é Albo, branco por isto, Albedo. Mas os desejos, as escórias, as fontes de sofrimento, os samskaras ou agregados, como diz o Budismo, ainda estão presentes. Para se passar à Terceira Sala., a Sala da Sabedoria, a Sala da verdadeira Theos Sophia, é preciso dar um passo maior ainda. “Deves despir-te de tuas escuras roupas de ilusão”, nos adverte a Voz do Silêncio, e efetivamente entrar no Rubedo. Rubro lembra fogo, a Sala de dissolução, da decantação, da queima das escórias que ainda existem, das escuras roupas de ilusão. Em “Luz no Caminho” encontramos a afirmação “antes que a alma possa erguer-se na presença dos Mestres, seus pés têm de ter sido lavados com o sangue do coração”. 
Os pés representam a parte do corpo que se encontra mais perto do chão, a natureza material, ela tem de ser lavada com o sangue do coração. Dói? Como queimar uma parte de nós mesmos sem doer? Mas sem este processo de queima a luz verdadeira é impossível, é preciso deixar queimar as escórias, todos os liames que temos com o mundo dos sentidos e da ilusão.  Nos explica HPB que o Sábio (aquele que reside na Terceira Sala) “não se detém nas regiões deleitosas dos sentidos”. Nós nos detemos, porque temos liames que nos unem a este mundo. É preciso queimar estes liames. Como? Podemos fazer uma analogia com uma mãe querendo ensinar o filho de um ano a andar, ela pode dizer muitas coisas, pode facilitar outras, mas a própria criança tem que aprender a andar.  Novamente, “O Sábio não dá ouvidos às vozes musicais da ilusão”. É preciso romper com os vínculos de ilusão. Como? Há diversas indicações, como mapas, disponíveis para quem quer que queira trilhar este caminho, mas é preciso ir lá ver e não ficar falando dos mapas, é preciso efetivamente se dispor a lutar, como Krishna disse a Arjuna.  Só então é possível que a pessoa veja a luz, depois de ter transmutado o chumbo em ouro, queimado todas as escórias, queimando a Grande Heresia da Separatividade.

J. Krishnamurti em 
Palestra realizada em Ojai, Califórnia, EUA, 1944.
O pensar correto não é para ser descoberto através dos livros, através do assistir a umas poucas palestras, ou por escutar meramente algumas idéias de pessoas sobre o que é o pensar correto. O pensar correto é para ser descoberto por nós mesmos através de nós mesmos. O pensar correto vem com o autoconhecimento. Sem autoconhecimento não existe pensar correto. Sem conhecer-se a si mesmo, o que você pensa e o que sente não pode ser verdadeiro. A raiz de todo entendimento encontra-se no entendimento de si mesmo. Se você pode descobrir quais são as causas de seu pensamento-sentimento, e a partir desta descoberta, saber como pensar-sentir, então existe o começo do entendimento. Sem conhecer-se a si mesmo, a acumulação de idéias, a aceitação de crenças e teorias não têm base. Sem conhecer-se a si mesmo, você sempre será pego na incerteza, dependendo do humor, das circunstâncias. Sem entender-se a si mesmo completamente, você não pode pensar corretamente. Com certeza isto é óbvio. Se eu não sei quais são os meus motivos, minhas intenções, meu “background” (fundo), meus pensamentos-sentimentos particulares, como é que posso concordar ou discordar de outra pessoa? Como posso avaliar ou estabelecer minha relação com outra pessoa? Como posso descobrir qualquer coisa da vida se não conheço a mim mesmo? E conhecer a mim mesmo é uma tarefa enorme, que requer observação constante, uma vigilância meditativa.
Esta é nossa primeira tarefa, mesmo antes do problema da guerra e da paz, dos conflitos econômicos e sociais, da morte e da imortalidade. Estas questões vão surgir, elas hão de surgir, mas na descoberta de nós mesmos, no entendimento de nós mesmos, estas questões serão respondidas corretamente. Assim, aqueles que são realmente sérios nestas questões devem começar por eles mesmos, a fim de entender o mundo do qual são uma parte. Sem entender-se a si mesmo você não pode entender o todo. O autoconhecimento é o começo da sabedoria. É cultivado pela busca individual de si mesmo. Não estou colocando o indivíduo em oposição à massa (ao coletivo). Eles não são antíteses. Você, o indivíduo, é a massa, é o resultado da massa. Se entrar dentro disto profundamente, você irá descobrir por si mesmo. que você é tanto o coletivo quanto o individual. É como um córrego que está constantemente fluindo, deixando pequenos redemoinhos, e a estes redemoinhos chamamos de individualidade, mas eles são o resultado desse constante fluxo de água. Seus pensamentos-sentimentos, aquelas atividades mentais-emocionais, não são o resultado do passado, do que chamamos a multiplicidade? Você não tem pensamentos-sentimentos similares aos do seu vizinho? Assim, quando falo de indivíduo, não o estou colocando em oposição à massa, ao coletivo. Ao contrário, quero remover este antagonismo. Este antagonismo que coloca em oposição a massa e você, indivíduo, cria confusão e conflito, crueldade e miséria. Mas se pudermos entender como o indivíduo, você, é parte do todo, não apenas misticamente, mas realmente, então nos libertaremos de modo feliz e espontâneo, da maior parte do desejo de competir, de ter sucesso, de iludir, de oprimir, de ser cruel, ou de se tomar um seguidor ou um líder. Então veremos o problema da existência de modo diferente. E é importante entender isto profundamente.
Enquanto nos virmos como indivíduos, separados do todo, competindo, obstruindo, em oposição, sacrificando o coletivo pelo particular, ou sacrificando o particular pelo coletivo, todos aqueles problemas que surgem deste conflitante antagonismo não terão solução feliz e duradoura, pois são o resultado do pensar-sentir incorreto. Agora, quando falo sobre o indivíduo, não o estou colocando em oposição à massa. O que eu sou? Sou um resultado – sou o resultado do passado, de inúmeras camadas do passado, de uma série de causas-efeitos. E como posso estar em oposição ao todo, ao passado, quando sou o resultado daquilo tudo? Se eu, que sou a massa (o coletivo), se não entender a mim mesmo, não apenas entender o que está fora da minha pele, objetivamente, mas subjetivamente, dentro da pele, como posso entender outra pessoa, o mundo? Entender a si mesmo requer desapego amável e tolerante.
Se você não entender a si mesmo, não entenderá nada mais. Pode ter grandes ideais, crenças e fórmulas, mas elas não terão realidade. Serão enganos. Assim, você deve conhecer-se a si mesmo para entender o presente – e através do presente, o passado. Do presente conhecido, as camadas escondidas do passado são descobertas, e esta descoberta é libertadora e criativa. O autoconhecimento requer um estudo objetivo, amável, desapaixonado de nós próprios – nós próprios sendo o organismo como um todo, nosso corpo, nossos sentimentos, nossos pensamentos. Eles não estão separados, mas interligados. É somente quando entendemos o organismo como um todo que podemos ir além – e podemos descobrir coisas mais adiante, maiores, mais vastas.
Mas sem este entendimento primário, sem colocar o alicerce correto para o pensar correto, não podemos prosseguir para alturas maiores. Torna-se essencial produzir em cada um de nós a capacidade de descobrir o que é verdadeiro, pois o que é descoberto é libertador, criativo. Pois o que é descoberto é verdadeiro. Ou seja, se meramente nos conformarmos a um padrão do que deveríamos ser, ou cedermos a um anseio, produziremos certos resultados conflitantes, confusos. Mas no processo do nosso estudo de nós mesmos, estamos numa viagem de autodescoberta, o que traz alegria. Existe uma certeza no pensar-sentir negativo em vez do pensar-sentir positivo. De uma maneira positiva supomos o que somos, ou cultivamos positivamente nossas idéias em relação a outras pessoas, ou em relação a nossas próprias formulações. E, portanto, dependemos de autoridade, de circunstâncias, esperando com isto estabelecer uma série de idéias e ações positivas. Ao passo que se você examina, verá que existe concordância na negação; existe certeza no pensar negativo, que é a mais alta forma de pensar. Quando você descobrir a negação verdadeira e a concordância na negação, então poderá construir mais adiante no positivo. A descoberta que reside no autoconhecimento é árdua, pois o começo e o fim estão em nós. Buscar felicidade, amor, esperança fora de nós, leva-nos à ilusão, ao sofrimento; encontrar felicidade, paz, alegria dentro (de nós) requer autoconhecimento. Somos escravos das pressões imediatas e exigências do mundo, e somos desviados por tudo isso e dissipamos nossas energias em tudo isso, e assim temos pouco tempo para estudar a nós mesmos. Estarmos profundamente cientes de nossos motivos, de nossos desejos de alcançar, de vir-a-ser, exige constante atenção interna. Sem o entendimento de nós mesmos, mecanismos superficiais de reforma social e econômica, mesmo que necessários e benéficos, não irão produzir unidade no mundo, mas somente maior confusão e miséria. Muitos de nós pensamos que a reforma econômica de uma ou outra forma vai trazer paz ao mundo; ou que a reforma social, ou uma religião especializada conquistando todas as outras vai trazer felicidade ao homem.
Acredito que haja algo como oitocentas ou mais seitas religiosas neste país, cada uma competindo, fazendo proselitismo. Vocês pensam que uma religião competitiva vai trazer paz, unidade e felicidade à humanidade? Pensam que qualquer religião especializada seja o Hinduísmo, o Budismo ou o Cristianismo, vai trazer paz? Ou devemos colocar de lado todas as religiões especializadas e descobrir a realidade por nós mesmos? Quando vemos o mundo explodido por bombas e sentimos os horrores que estão acontecendo nele; quando o mundo está fragmentado por religiões, nacionalidades, raças e ideologias separadas, qual é a resposta a tudo isso? Não podemos apenas continuar vivendo uma vida curta e morrendo – e esperar que algum bem, advenha disso. Nós não podemos deixar isso para os outros – trazer felicidade e paz à humanidade, pois a humanidade é nós mesmos, cada um de nós. Aonde se encontra a solução, senão em nós mesmos? Descobrir a resposta real requer profundo pensamento-sentimento e poucos de nós estão dispostos a resolver essa miséria. Se cada um de nós considerar esse problema como jorrando de dentro – e não ser meramente conduzido nessa confusão e miséria pavorosa, então iremos encontrar uma resposta simples e direta. No estudo e, assim, no entendimento de nós mesmos, virá claridade e ordem. E só pode haver claridade no autoconhecimento, que nutre o pensar correto. O pensar correto vem antes da ação correta. Se nos tornarmos conscientes de nós mesmos e assim cultivarmos o autoconhecimento de onde jorra o pensar correto, então criaremos um espelho em nós que refletirá, sem distorções, todos os nossos pensamentos-sentimentos. Estar assim autoconscientes é extremamente difícil, já que nossas mente estão acostumadas a divagar e a estar distraídas. Suas divagações, suas distorções são de seu próprio interesse, suas próprias criações. No entendimento disto – e não meramente colocando isto de lado – vem o autoconhecimento e o pensar correto. É apenas por inclusão e não por exclusão, não por aprovação ou condenação ou comparação, que vem o entendimento.

SOBRE A BUSCA DA ESSÊNCIA DIVINA

"Há um tipo de experiência religiosa raramente acessível em sua total pureza. Dou a ela o nome de "religiosidade cósmica". É muito difícil falar a respeito desse sentimento para qualquer um que não o tenha vivenciado, especialmente porque não há nenhuma concepção antropomórfica de Deus correspondente a ele. O ser experimenta o nada das aspirações e vontades humanas (...). A existência individual é vivida então como uma espécie de prisão e o ser deseja experimentar o Universo como um todo significativo.
(...) Ora, os gênios religiosos de todos os tempos se distinguiram por essa religiosidade ante o cosmos. Ela não tem dogmas nem Deus concebido à imagem do homem, portanto nenhuma igreja ensina a religião cósmica. Temos também a impressão de que os hereges de todos os tempos da História humana se nutriam com essa forma superior de sentimento religioso.
Como esse sentimento religioso cósmico pode ser comunicado de pessoa a pessoa, uma vez que não se pode chegar a nenhuma teologia? Para mim, o papel mais importante da arte e da ciência consiste em despertá-lo e mantê-lo vivo naqueles que lhe são receptivos.
Albert Einstein ("Como Vejo o Mundo")


O Que Está Por De Trás do Olho, da Mente do Ouvido E Da Mente?
"Tudo o que precisamos saber sobre a verdade pode ser encontrado nos Upanishads, mas há um problema em saber aonde olhar e na compreensão do que é encontrado. Um comentário esclarecido é essencial. O Kena Upanishad, por exemplo, é bastante curto e transmite o conhecimento de nossa verdadeira natureza de quatro maneiras diferentes, de acordo com a facilidade espiritual do ouvinte.
A primeira seção é a mais direta e sucinta, mas, consequentemente, aparentemente a mais difícil. O verso dois diz-nos que nós somos aquilo que possibilita ou capacita a mente etc..., e não a própria mente. Uma explicação bela e clara é fornecida por Swami Paramananda:
É o ouvido do ouvido, a mente da mente, a fala da fala, a vida da vida, o olho do olho. O sábio, livre ( dos sentidos e dos desjos mortais), depois de deixar este mundo, torna-se imortal. -(Kena Up.)
O homem comum ouve, vê e pensa, mas fica satisfeito em saber apenas o quanto possa ser conhecido através dos sentidos; não analisa e tenta encontrar o que está por trás do ouvido, do olho, ou da mente. Está completamente identificado com a sua Natureza Externa. Sua concepção não vai além do pequeno círculo de sua vida corporal, que diz respeito apenas ao homem exterior. Ele não tem consciência daquilo que dá capacidade aos seus sentidos e órgãos para executar suas tarefas.
Há uma vasta diferença entre a forma manifesta e Aquilo que se manifesta através da forma. Quando conhecemos Aquilo, nós não morreremos como o corpo. Aquele que se apega aos sentidos e as coisas que ão efêmeras,deve morrer muitas mortes; mas o homem que conhece o olho do olho, o ouvido do ouvido, tendo separado-se de sua natureza física, torna-se imortal.
A Imortalidade é alcançada quando o homem transcende sua natureza aparente e descobre aquela essência sutil, eterna e inesgotável que está dentro dele".
(Four Upanishads) - Dennis Waite- 5.000 anos de Advaita



"Lúcifer, o Espírito da Iluminação Intelectual e Liberdade de Pensamento é, metaforicamente, o farol orientador que ajuda o homem a encontrar o seu caminho por entre as rochas e bancos de areia da Vida. Pois Lúcifer, em seu aspecto mais elevado, é o Logos, e no mais baixo, o "Adversário", ambos refletidos em nosso Ego."

Helena Petrovna Blavatsky, A Doutrina Secreta.

Quando algumas pessoas, em determinado momento, percorrem verdadeiramente o caminho da autorrenúncia e da autodemolição, e isso na força do átomo do coração, elas emitem naturalmente uma irradiação. Esta irradiação liga-as aos mesmos valores radiativos de outras pessoas e assim se desenvolve um campo mais puro. Assim, pode-se dizer que vai surgindo uma aurora, a aurora de um dia em que se destacarão novos valores, a serviço de todos. Foi em um período como este que Hermes Trismegisto, o Três vezes Grande, pôde elevar a voz para a iluminação de muitos. É em um período como este que todos nós somos confrontados com a natureza superior de nossa alma, a natureza superior que habita dentro de nós, mas que não é nossa. Quem tem uma faísca como esta ardendo dentro de si sabe que o tempo já chegou. Todos os oásis de força-luz do sistema solar estão sendo profundamente tocados. Todos aqueles que são prisioneiros da natureza da morte e que se empenham e se esforçam seriamente para libertar-se são elevados a uma ordem superior.
(Jan van Rijckenborgh)

A Noite Escura da Alma: O Paradoxo Místico

Por SERGIO CARLOS CORVELLO - 

http://www.teosofia-liberdade.org.br/a-noite-escura-da-alma-o-paradoxo-mistico/

A Noite Escura da Alma: O Paradoxo MísticoAnálise da experiência mística que antecede à plena iluminação, segundo a doutrina de São João da Cruz  (Séc.16).

Sergio Carlos Covello

A “noite escura da alma” é metáfora de uma experiência mística que envolve paradoxo, porque essa experiência é iluminativa e, no entanto, obscurece a consciência e acarreta sofrimento. Para  extrair sentido dessa contradição, faz-se necessário examinar o rico simbolismo da noite no imaginário dos povos. Entre os mitos gregos, Noite é o nome de uma deusa, filha do deus Caos, o vazio primordial antes de serem ordenados os elementos do mundo. Essa deusa personifica as trevas superiores e é representada com um manto escuro, a percorrer o céu, enquanto seu irmão, Érebo, simboliza as trevas inferiores. A deusa Noite gerou várias divindades, algumas benéficas, outras maléficas, sendo a mais importante delas o Dia (Hêmera), a divindade que trouxe a luz ao universo. Também na tradição judaica, a noite apresenta ora um aspecto negativo, ora um aspecto positivo. No Gênesis, ela denomina as trevas, sendo inferior à luz: “E viu Deus que a luz era boa, e fez separação entre a luz e as trevas. Chamou Deus à Luz Dia e às trevas, Noite (1.4-5)” . Em outras passagens, porém, a Bíblia ressalta o aspecto positivo da noite. Por exemplo, em Jó 35.10, lê-se que “Deus inspira canções de louvor durante a noite”. A noite é, portanto, o momento da inspiração divina. E em Salmos 19.2, a noite relaciona-se com a sabedoria: ” Uma noite – diz o salmista – revela conhecimento a outra noite”. Não por outra razão a coruja, pássaro notívago, representa, de longa data, a filosofia, simbolizando o saber e a clarividência. Na arte poética, a noite é geralmente evocada como o período propício ao romance, pois à noite, cessadas as atividades laborativas do dia, o ser humano pode ir livremente em busca do outro. Neste caso, a noite exerce fascínio: “Tudo tem suave encanto quando a noite vem”, diz a canção popular. Na esfera psíquica, a noite significa a face oculta da consciência, o inconsciente, que, durante o sono, geralmente à noite, vem à tela mental através de símbolos que expressam não só os desejos, mas também a sabedoria, a criatividade e as mais belas intuições.
Na teologia mística, a noite foi aos poucos adquirindo o sentido de estado de consciência com relação à Divindade, a eterna Incógnita envolta metaforicamente no manto negro da noite. “Deus habita as trevas” – dizem os místicos, porque nunca ninguém conseguiu ver Deus, nem Moisés e o povo eleito. Tudo o que sabemos sobre Deus são conceitos humanos. O homem presume que existe uma causa inteligente para o universo e chama a essa causa de Deus, atribuindo-lhe qualidades humanas (como a bondade, a justiça e a misericórdia). Cria, assim, Deus à sua imagem e semelhança. A teologia mística, ao contrário da teologia especulativa (baseada em conceitos e teorias), objetiva um conhecimento experimental – a posse interior de Deus pela contemplação que implica o despojamento do ego, visando à união da alma com “aquele que está além de todo ser e de todo saber”. A esse estado de despojamento os místicos alemães do século 14 chamaram de “noite escura”, expressão que foi consagrada 200 anos mais tarde pelo frade carmelita São João da Cruz, num poema lírico de oito estrofes em que o poeta relata a própria passagem por essa prova que antecede a plena iluminação. Nos comentários a esse poema, diz São João da Cruz que, mediante a noite escura, a alma se dispõe e encaminha para a divina união de amor. É possível explicar a jornada mística como a busca do Eu profundo, a dimensão expandida da consciência, para além do pequeno ego, de modo que a consciência individual se transforme em universal ou cósmica. Mas os místicos cristãos (e mesmo os não-cristãos teístas) consideram a ampliação da consciência como a união da alma com Deus, por analogia com o casamento humano, que é uma experiência transformadora na vida dos nubentes. Nessa etapa do desenvolvimento consciencial só entram as pessoas espiritualmente adiantadas, isto é, as que já se converteram para a sua dimensão maior e obtiveram algum grau de luz. Não se trata de período agradável, visto que é de provação. Segundo São João da Cruz, a noite escura consiste na mortificação dos sentidos e do espírito, por isso que produz abatimento, esgotamento mental e fadiga. Mas esse transe é altamente desejável, porque faz surgir o homem novo de consciência totalmente renovada. A passagem pela noite escura da alma encontra apoio nas escrituras bíblicas. Tanto no Antigo, como no Novo Testamento, há vários exemplos de pessoas santificadas que sofrem provação antes de receberem um grande benefício. A noite escura do Cristo teve início no Getsêmane, pouco antes de o Divino Mestre ser preso, e terminou na cruz com a sensação de abandono: ” Eli, Eli, lamá sabactâni” (MT 27.46).Graças, porém, à tormenta física e mental, Jesus de Nazaré ressurgiu como o Cristo Cósmico Eterno, dando ensejo a uma das mais influentes tradições religiosas do mundo.
Na expressão Noite Escura, que dá nome à poesia de São João da Cruz, estão implícitos os vários sentidos figurados da noite: o mitológico (geratriz da luz), o sapiencial ( momento da sabedoria e da inspiração divina), o poético (instante doce  do amor) e o psicológico (centro de consciência transcendente). A análise, ainda que sumária, dos belos versos do poema permitirá a melhor compreensão dessa fase do desenvolvimento da consciência, na visão poética do monge que fez da busca do Absoluto seu ideal de vida:

NOITE ESCURA

Canções de S. João da Cruz (1542-1591) que descrevem o modo pelo qual o místico chega ao estado de perfeição espiritual.
(1578)
1. Em uma noite escura,
De amor em vivas ânsias inflamada,     (1)
Oh, ditosa ventura!
Saí sem ser notada, (2)
Já minha casa estando sossegada. (3)
2. Na escuridão, segura,
Pela secreta escada, disfarçada,  (4)
Oh, ditosa ventura!
Na escuridão, velada,
Já minha casa estando sossegada.
3, Em noite tão ditosa,
E num segredo em que ninguém me via,
Nem eu olhava coisa,
Sem outra luz nem guia    (5)
Além da que no coração me ardia.
4. Essa luz me guiava,
Com mais clareza que a do meio-dia,
Aonde me esperava
Quem eu bem conhecia, (6)
Em sítio onde ninguém aparecia. (7)
5. Oh, noite que me guiaste!
Oh, noite mais amável que a alvorada!
Oh, noite que juntaste
Amado com amada,
Amada já no Amado transformada! (8)
6. Em meu peito florido
Que, inteiro para ele só guardava,
Quedou-se adormecido,
E eu, terna, o regalava,
E dos cedros o leque o refrescava.
7. Da ameia a brisa amena, (9)
Quando eu os seus cabelos afagava,
Com sua mão serena
Em meu colo soprava,
E meus sentidos todos transportava.
8. Esquecida, quedei-me,
O rosto reclinado sobre o Amado; (10)
Tudo cessou. Deixei-me,
Largando meu cuidado
Por entre as açucenas olvidado.(11)
(1) Trata-se de alma adiantada na espiritualidade, pois está incendiada do amor a Deus.
(2) Isto é, saiu de si, sem ser impedida pelos sentidos inferiores que compõem o ego.
(3) Casa sossegada: vida interior com pleno domínio das pulsões inferiores e das paixões menores.
(4) A escada mística da ascese rumo à Divindade. A escada joanina desdobra-se em 10 degraus.
(5) A luz da fé e do amor.
(6) Em sendo evoluída, a alma já conhecia a Divindade.
(7) O centro da alma, o espírito que é também sua parte mais alta.
(8) Pela união com a Luz a alma se transforma na Luz.
(9) Ameia: cada um dos arremates salientes, separados por intervalos regulares, construídos na parte mais alta do castelos, das torres e das muralhas que protegiam as cidades antigas. Vê-se que a alma subiu a escada para encontrar a Divindade.Brisa amena é sopro, símbolo do influxo espiritual de origem celeste. Mensageiro divino, o vento afasta as trevas. Na tradição bíblica, o “sopro de Deus” animou o primeiro homem. No poema, o sopro de Deus faz surgir o ser iluminado ( o novo homem que retornou à origem divina).
(10) Esquecida de si, quer dizer, com a atenção concentrada só no Amado.
(11) Sua inquietação desapareceu.

quarta-feira, 12 de março de 2014

Âncoras Cósmicas - Parte II



                                                   
Continuando nossa conversa vou colocar alguns rudimentos de reflexões, para descobrirmos: Em qual mundo você vive?

Historicamente, diz-se que a Esfinge fazia três perguntas aos viajantes, devorando-os caso não respondessem: Quem és? De onde vens? Para onde vais?

Hoje, estas três perguntas são outras e não saber as respostas implica também no cumprir o que diz a esfinge; “decifra-me ou te devoro”.
Mas, mais inquietante que precisar saber as respostas é saber quem faz as perguntas: e neste caso, é a pessoa que pergunta a si mesma. Ela é a própria esfinge (humana) e quando não se decifra (ou compreende) devora a si mesma no dia-a-dia.

Considerações gerais:

a)      Há mistérios no Universo, na vida? Óbvio que sim! Mas como desejar saber sobre mistérios, quando não se sabe nem sobre sua própria vida.

b)      Antes de ver o Universo, o ser humano deverá ter aprendido a ver a si mesmo.

c)      Antes de comandar as forças cósmicas e antes de comandar as forças e criaturas da natureza, deve comandar as forças e criaturas que em si existem, pois são as mesmas.

d)      O ser humano deve entender que, o que faz com que ele se sinta separado do Universo(e de todos os outros seres) é só o fato de ter um nome próprio, e de ter aprendido a dizer: EU!

e)      Mas a individualidade, o Ahankara, tem por função unir o humano ao Universo, não separá-los.

Antes de seguirmos, algo que me ocorre: O Universo é infinito? Não, pois infinito é o Imanifestado.
Mas, uma vez que o Imanifestado toma forma (de um ou vários Universos) ele limita-se na forma, portanto, é conceitualmente finito, mesmo que não se conceba seus limites.
É então, um infinito finito.  Ou seja, o Universo manifestado é infinito para a mente concreta (que não o abarca) e é finito para a mente abstrata(pois esta se funde Nele).

O mundo astral e o mundo mental:

a)      Para definirmos em qual mundo o ser humano se encontra, vamos tomar por base a alma humana, formada pelo astral (emoções) e mental concreto(conhecimento), ambos entrelaçados.
b)      Quando dizemos astral e mental concreto, não nos referimos ao mundo astral(com seus planos, subplanos e existências) como um todo, nem ao mundo mental(com seus planos, subplanos e existências) como um todo, mas sim, aquela porção destes mundos que fazem parte daquela individualidade existencial, a qual chamamos ser humano;

c)      O astral do ser humano é separado do plano, assim como o mental, naquilo que chamamos ovo áurico, como se fosse os muros de um castelo, com sua ponte levadiça, permitindo a entrada somente de quem autorizado pelo seu senhor;

d)      Uma importante ressalva: assim como nos castelos, esta porta só abre pelo lado de dentro;

e)      O que o ser humano tiver em si(emoções e conhecimento) é que moldará e dará as tonalidades, determinará a velocidade e a agitação do que exista dentro do seu castelo, sua alma;

f)        Não importa com quais cores a parede externa seja pintada, nem a altura do muro. Isto só oculta, mas não muda o que acontece dentro dos muros. E quanto maior a agitação e ruído dentro dos muros, mais isto incomoda os que estão fora, os outros castelos. Desta forma, o que cada um tenha em si, serve como agente pacificador ou agitador do ambiente externo, mesmo sem o perceber;

g)      Cada conhecimento, cada emoção habita uma região dentro do seu plano e subplano, na medida de sua densidade. É como se cada um habitasse seu mundo especídico, indo da emoção mais densa até o conhecimento mais excelso;

h)      Quanto mais elevado é o ser(astral ou mental), mais disperso estará no plano correspondente. Seria, por exemplo, a diferença entre um amor passional por uma pessoa, e um amor fraternal por todos os seres. A emoção, cumpre o objetivo para o qual foi concebida, se alimenta quando acontece, e fará de tudo (pode-se dizer, instintivamente) para manter-se viva, individualmente ou entrelaçada com seus símiles;

i)        Mas tudo o que existe no astral e no mental, ligados a humanidade, estão como se fossem fixos, em seu lugar, pois ali é o único mundo onde conseguem viver vibracionalmente, entre seus pares;

j)        Um aspecto relevante para esta conversa que estamos tendo, é o fato de que o conceito de distância só existe no mundo físico. No astral, a medida equivalente é o tempo(pode-se dizer que para a mente concreta também, pois no atual momento evolucional humano estão tão entrelaçados que é difícil considerá-los de forma independente). Já da mente abstrata para “cima” o que deve existir como padrão e a permeabilidade e a instantaneidade, superiores divinos do espaço e do tempo;



O que existe no ser humano

a)      Vamos falar novamente da voz Prâmanâ: fazer Prâmanâ de alguma coisa, é vibrar acima e abaixo, na mesma altura em que está aquela coisa. Quer dizer, quando aprendemos algo, obrigatoriamente temos que ir até a altura, ou ir até o lugar onde está este algo, para que, vibrando no mesmo local, seja construído dentro de cada um, um reflexo, um símile;
b)      Este reflexo da coisa em si, da emoção em si, existirá no ser humano, e estará ligado a sua origem. E esta ligação não é so forma de falar, é ligação real, vibracional, de identidade. Assim, para que uma pessoa saiba a respeito do sol, nela deverá haver um símile do sol, uma imagem, que servirá de base para o que ela sabe (ou pensa saber) a respeito, e esta imagem está, em maior ou menor escala, ligada a própria imagem do sol;
c)      Então, o que existe no ser humano é o conjunto de todos aqueles pontos do astral/mental com os quais esteja ligado. O que é então o ser humano? Ele é o conjunto dos locais os quais ele tenha reflexo em si. Onde está o ser humano: o corpo físico está na Terra, e sua alma está dispersa por todos os locais do astral e mental, onde existam as origens dos reflexos que cada um criou;


As Âncoras

d)      Assim, vamos retomar os comentários da Parte I desta conversa, sobre o caminho que os seres humanos percorrem através do universo, a cada Truti, a cada segundo. Também vamos relembrar que a humanidade, deslocando-se pelo Universo perpassa a matéria. Então, o ser humano anda pelo universo estabelecendo liames com os mais distantes, com os mais “elevados”, com os mais “baixos”, com os mais densos e com os mais abstratos pontos do mundo astral e mental;
e)      Agora imaginem (ou vejam!) que cada liame, cada ligação (quer dizer, cada pensamento, cada emoção) assenta-se no plano cósmico, tendo 3 ligações:
  • Em uma ponta está a coisa em si (a emoção, ou o conhecimento sentido ou aprendido);
  • Na outra ponta está o registro de em qual ponto do universo isto aconteceu(quer dizer, em qual conjunto de trutis, como se fossem coordenadas universais x, y, z);
  • E na outra ponta está a cópia (a imagem, o reflexo) da coisa em si, gerada dentro do ser humano!!!

f)        O correto seria considerar um sistema, um plano, onde existisse, norte, sul, leste,oeste, zenit e nadir, o que representariam bem o plano celeste físico. Mas, com as devidas limitações desta imagem mental (x,y,z) uma vez que vai ser elaborada pela mente concreta em cada um), pode-se ter uma idéia do que precisamos compreender neste momento;
g)      Então, uma emoção que exista em uma pessoa:
  • Está ligada a origem daquela emoção(quer dizer, em qual ponto do astral ela se encontra);
  • Está também ancorada no momento (ou posição) cósmica onde ela aconteceu (foi sentida).
Assim, é como se a pessoa se deslocasse pelo universo, tendo em si um fio, um liame, que liga a sua alma a um ponto “fixo” no universo (quer dizer, o Truti onde aconteceu a ligação) e a um ponto fixo no astral (que é a fonte daquela emoção, quer dizer, o tipo de emoção).
h)      Imaginem então, para cada pessoa, as milhares e milhares de ligações, com os mais estranhos e inóspitos locais do astral. E também imaginem as milhares e mihares de âncoras que esta pessoa veio lançando pelo caminho que percorreu no universo;
i)        Com relação a estas âncoras (quer dizer, os pontos exatos onde as emoções foram sentidas/criadas), ANK vem do grego e quer dizer curva. Quanto mais antiga é uma âncora, quanto mais longa (em termos de tempo, Truti), mais calcificada ela fica, e mais arraigada fica a emoção;
j)        Cabe ressaltar que quanto mais densa é a emoção, mais densa é a âncora, e maior é o impacto de resfriamento (ou desaceleração) no lugar onde está lançada. Assim, um ser humano cheio de emoções densas, caminha pelo universo carregando e alimentando tudo o que em si tenha. Mas esta caminhada, como é óbvio, é mais lenta quanto maior for a quantidade de âncoras densas lançadas;
k)      Vamos criar um exemplo: alguém ficou com raiva de outro alguém, há 30 anos atrás. Naquele momento, ligou-se ao ponto do mundo astral onde existe a raiva como conglomerado (quer dizer, a soma de todas as raivas). Criou uma cópia do que é raiva em si mesmo, em sua alma. Ancorou esta raiva em uma data (quer dizer, em um ponto do universo). E tem mais uma coisa, a qual ainda não comentamos: a pessoa pega tudo isto e ainda liga a imagem daquela pessoa que é a causadora da raiva. A pessoa então, ligada a este sistemas de forças, a tudo alimenta (vitalidade extraída do seu baço), e vai se deslocando. Na medida em que o tempo passa(quer dizer, em que aumenta a distância de onde ela está hoje para aquele ponto onde esta raiva específica está ancorada) o caminho vai ficando mais tênue, mas ainda existem e, como artifício para sobreviverem, transformam-se de raiva em mágoa, criando novos liames entre si, ligando todas as mágoas de uma pessoa com as mágoas de outra, com todas as âncoras que ambas deixaram em seu rastro pelo universo, e com todos os pontos no astral, onde existam razões(emoção, acontecimentos) que possam despertar raiva ou mágoa!;
l)        Pronto, isto multiplicado por milhares, faz com que a pessoa se desloque como se fosse um carro de recém-casados, arrastando milhares de latas, todas entrelaçadas entre si, e fazendo barulho o suficiente para acordar o astral por onde passam;
m)    Parece que ficou complicada a situação, não é mesmo? Mas tem mais, imaginem que o movimento no universo é em elipticas, espirais. Assim, quanto mais ciclos, mais os liames, mais os fios enroscam-se entre si, fazendo verdadeiras cordas de prender navios, e quanto maior a corda, mais preso é o navio ao cais e às âncoras.

Perguntas com respostas sem voz:

  • Será que vc não está andando pelo universo como um vândalo, arrastando milhares de “latas” e servindo como elo de ligação entre locais do astral que não se poderiam comunicar a não ser existindo dentro de vc mesmo?
  • Será que não é isto que faz a vida ficar pesada?
  • Será que não é isto que turva a visão?
  • Será que não é isto que faz com que o futuro 9que já é realidade) seja imperceptível?
  • Será que este processo não tem um sinônimo humano: morte! Uma vez que o custo de manutenção de todas estas ligações é a vitalidade?
  • Não seria mais simples viver o hoje, o agora?
  • Não seria uma vida divina se usando a vontade e o amor-sabedoria, cada um destes liames densos fosse cortado, como amarras que, uma vez soltas, libertam o navio?
  • Não seria mais simples ter só memórias felizes, deixando de alimentar aquelas que deveriam ser sublimadas?
  • Não seria mais lícito deixar que aqueles locais do universo que vc mantém congelados em vc mesmo, respirasse o sol que a tudo e a todos ilumina?
  • Não seria mais justo libertar-se e a todos libertar?
  • Não seria mais divertido, uma vez que todos estes liames fossem cortados, experenciar o que é viver cosmicamente, em desabalada carreira, acompanhando a velocidade do próprio universo?
 São perguntas que cabe a cada um responder.
 Mas com relação as perguntas que motivaram esta conversa:

a)      Então em qual mundo vc está hoje: seu corpo físico está aqui, agora, acompanhando o movimento do planeta através do universo, andando em desabalada carreira, já vivendo o futuro. Mas onde anda sua alma: será que não está ancorada nos locais mais estranhos do astral e espalhada pelo universo que vc já passou? Só vc sabe em qual mundo está

b)      E quem é vc? O correto seria perguntar : o que é vc? E vc é o somatório daquilo que em vc existe, sendo ou um inferno ou um céu deslocando-se através do universo, em uma velocidade definida por suas próprias escolhas. Mas, a resposta só vc que sabe!


Quanto mais complexo é o astral, quanto maior a quantidade de liames, mais estreito é o espaço para “caminhar”, para viver, e mais sufocado ou pesado o ar que se respira.
Estreito e sufocado, derivam de Ángo, ... Ángere, donde vem o Angustiae, a angústia. As angustias e inquietações da vida são então derivadas dos estreitos caminhos que cada um, de livre vontade,  percorre dentro de sua própria alma, e daquilo que arrastamos conosco nesta caminhada.

Cito Henrique José de Souza(1): “ Cada um constrói o seu próprio mundo, para que o Meu (o real) permaneça ignorado”
 Convido-os a desacelerar, parar, analisar, e cortar todos os liames indesejados que os prendem ao tempo passado e ao espaço passado.
A base para este libertar, para soltar as amarras, para levantar as âncoras é o uso do amor-sabedoria, e a derivada disto, é a alegria de poder andar livre pelo Universo, lembrando que Alácrita, Alacritátis, vem da raiz Ala, Alae, que quer significa asas, aquele que tem asas nos pés.

Talvez as asas em cada um já existam, e não funcionam só pq estão emaranhadas. Além disto, asas fechadas além de não servirem para voar, ainda atrapalham a caminhada.

Que vocês possam voar para os mais excelso locais onde a alma humana pode chegar, libertos. O Sol sempre e brilha acima das nuvens, mesmo em dias de chuva.

Do ilusório conduz-me ao real, das trevas a luz, da morte a imortalidade.

 Fraterno abraço, fiquem bem, fiquem em paz!

 Jorge Antonio Oro

Credito da imagem: Dan Dixon (youtube).

 (1)Henrique José de Souza, chamado de “o Professor”, foi o fundador da Sociedade Brasileira de Eubiose.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Mais Uma Valorosa Contribuição de Jorge Antônio Oro


 Prezados, em um outra pagina, alguém comentou sobre uma frase postada " Que maravilha depois que sempre a humanidade foi feliz" ser paradoxal. Como é algo relevante, no meu entender, compartilho o comentário.

Sobre o uso do “Depois que sempre “ – Parte 1 : Introdução e Etimologia

Prezado, seu questionamento(sobre se a frase : “que maravilha depois que a humanidade sempre foi feliz!” é um paradoxo) é ótimo, e nos dá uma também ótima oportunidade de esclarecer. Primeiro é muito interessante ver que, na própria forma como vc escreveu a pergunta, está contida toda a mecânica do lado esquerdo do cérebro, a mecânica concreta, e é exatamente esta mecânica (comum a todos os seres) que estabelece a limitante entre o que o que se pode realizar e o que é efetivamente realizado (em todas as áreas do conhecimento humano). Sua frase (muitíssimo oportuna) expressa exatamente os meandros da ação e reação da mente concreta, aceitando como possível somente o que é lógico (do ponto de vista dela, Mente concreta).

Muito bem, vamos em frente.

Sobre a etimologia:

1) Um paradoxo (do latin paradoxus “para” que significa “contrário a”, e “doxa”, que quer dizer opinião, que por sua vez deriva de “doxen”, parecer, pensar. E do grego parádoxos) seria aquilo que é contrário ao que se espera, ou contrário ao que se pensa. Surpreendente, estranho, extraordinário;
2) Neste sentido, este tipo de formação (ou de criação) pode realmente ser considerado um paradoxo, mas não no sentido de impossibilidade ou contrariedade (geralmente atribuído a palavra paradoxo), mas sim, de contrário ao que se pensa, inovador;
3) Além disto, este tipo de escrita pode ser considerado como um novo paradigma (do grego parádeigma, algo que serve de modelo) na arte da criação linguística;
4) Ironia, do grego eironeia, significa dissimular, dizer uma coisa mas expressar outra;
5) Estranho, do latin extra, significa “fora de”, e extra deriva da raiz indo-européia egs (fora de);
6) Construir, do latin construere, onde cons significa completamente ou globalmente, e struere significa juntar, amontoar;
7) Sempre deriva do latim Semper, e significa eterno (donde o termo sempiterno);
8) Maravilha deriva do latim mirabilia(coisas admiráveis), que é a forma neutra de mirabilis(que se pode admirar), e se forma sobre o verbo mirari (admirar), que está ligado ao adjetivo mirus (surpreendente, estranho, maravilhoso);
9) O prefixo “ad” em latin, significa aproximação, presença. Donde deduz-se que a voz admirar é olhar de perto, estar na presença de;
10) Mirus derivou o francês miroir, e o inglês mirror, espelho. Em português, espelho vem de speculun, que deriva de specere (admirar, olhar);
11) Então, “maravilha” é aquela coisa surpreendente, estranha, maravilhosa, que se pode admirar. E se admiramos, olhamos, e se olhamos, ele nos olha de volta.

Sobre o uso do “Depois que sempre “ – Parte 2 : Sobre a estrutura do mental:
12) Manas, a mente concreta, o quarto princípio no homem, tem por função analisar, medir, pesar (como no festim de Baltazar: pesado, medido, contado). Manas, é o equilibrante, e separa (e une) os três princípios superiores (Atmã, Budhi e Manas Superior, a mente abstrata) dos três inferiores (não negativos, mas apensa mais densos): astral (que junto com manas forma a alma humana), vital e físico;
13) Manas, a mente concreta, e Manas Superior, a mente abstrata, são expressões de Mahat, a Mente Universal;
14) Manas, a mente concreta é alimentada pelos 5 sentidos (audição, gustação, tato, olfato e visão) que transformam tudo o que recebem do mundo exterior (nosso mundo visível) em imagens (através da ação de uma das forças sutis da natureza, Tejas tatwa, o fogo). Como exemplo, para compreender-se isto, por exemplo, a área cerebral ativada por alguém que está lendo em Braile é a mesma ativada por alguém que está vendo a imagem;
15) Como Manas e astral são interligados, o processo de criação é idêntico em ambos;
16) O que forma os planos astral e mental, são conglomerados de elementais entrelaçados, amorfos, com a função de vitalizar e manter o plano, da mesma forma que o fazem os elementais da natureza;
17) Quanto o ser humano pensa ou sente, imprime no plano mental ou no astral a imagem do que viu ou sentiu, aglutinando um ou um conjunto de elementais, que tem por corpo físico a própria matéria do plano, e por “inteligência” aquilo que lhe deu origem (o pensamento, ou a emoção);
18) Um elemental criado pelo ser humano, só existe para aquilo que foi criado, só sabe fazer aquilo que existe nele, e age automaticamente tendendo a se exteriorizar, além de buscar entrelaçamentos com seus similares vibracionais no plano;
19) Diz-se que são elementais entrelaçados pois estão vitalmente interligados, nos dando isto a razão de pq as emoções e pensamentos nunca existem sozinhas. Vivem e alimentam-se como em um sistema de vasos comunicantes. Para um elemental, alimentar-se significa acontecer, ou gerar os fatos externos os quais o alimentam;
20) O mesmo processo de aquisição de imagens do exterior é efetuado ao inverso, para a geração das ações decorrentes das decisões de Manas, através tb de cinco órgãos externos, os chamados Karma endrianis;

Sobre o uso do “Depois que sempre “ – Parte 3 :Sobre a fisiologia:
21) O ser humano tem dois polos (assim como o corpo mineral onde ele habita, o que chamamos Terra) onde acumulam-se e através dos quais fluem, o Prana. O polo norte é o cérebro e o polo sul é o coração;
22) Destes dois, saem os fluxos de vitalidade, distribuídos através do sistema nervoso central (coordenados pelo sistema cérebro-espinhal) e do simpático e parassimpático, que se entrelaçam ao sistema circulatório, através dos nadhis. Este é o fluxo da vida, norte para sul e oriente para o ocidente, e depois fluxo contrário, obedecendo a ordem dos tatwas, gerando o que conceituamos como vida no ser humano(e de forma equivalente, o que conceituamos como vida na Terra, além de seu movimento de rotação);

23) O polo lunar, coração, divide-se em dois hemisférios, e outras áreas, equivalentes em funções ao cérebro(que pulsa eletricidade), etc(mas não é nosso objeto de atenção no momento);
24) O polo solar, o cérebro, é dividido em duas partes, hemisfério esquerdo que vai regular as ações ligadas a mente concreta e o direito que vai regular as ações ligadas a mente abstrata. Na maioria dos seres humanos, 98% da atividade cerebral está concentrada no lado esquerdo, o que dá a dimensão da imersão humana na vida concreta e também a sua dificuldade na concepção do que é o abstrato;
25) O hemisfério esquerdo é responsável pelo raciocínio lógico, análises, fala e linguagem. O hemisfério direito está responsável pela consciência auditiva e visual, consciência espaço-temporal, habilidades criativas, imaginação, etc.
26) A comunicação entre os hemisférios esquerdo e direito do cérebro é feita pelo corpo caloso, um conjunto de axônios e dendritos que trafegam de um hemisfério para outro, ligando áreas semelhantes(lobos frontal, temporal, parietal, etc), coordenando as ações;
27) Esta conexão entre os dois hemisférios, via corpo caloso, é que permitem que o hemisfério esquerdo controle o lado direito do corpo, e o hemisfério direito controle o lado esquerdo do corpo. Não por coincidência, então, o lado direito do cérebro controla o lado esquerdo do corpo, onde reside o coração;

Sobre o uso do “Depois que sempre “ – Parte 4 :Sobre o funcionamento da Alma(Mente concreta e Astral)
28) Quando a pessoa ouve uma palavra ( o ouvir á traduzir elétricamente, com o sistema auditivo, as vibrações projetadas a partir de uma fonte), a mesma após traduzida, vai gerar a imagem correspondente a esta tradução;
29) Uma vez gerada a imagem(quer dizer, um vriti, um temporário), Manas inicia o processo de identificação, ativando todas as imagens que a esta estejam associadas. Isto é o que se chama experiência, e memória;
30) Ao ouvir, por exemplo, a palavra maçã , todas as imagens ligadas a mesma, são ativadas e entrelaçadas, trazendo a tona, memórias, conhecimento e emoções;
31) Se as palavras vem em conjunto, por exemplo: “ vc gosta de maçã?”, para cada uma o processo é o mesmo: vc, gostar, maça e o indicativo de pergunta. Assim, para cada imagem é recuperado todo o conhecimento e memória e emoções. Então, passa-se para Segunda etapa que é a análise de todos os registros, para saber o que deverá ser respondido;
32) Devemos lembrar que cada memória, cada imagem, cada emoção, é um elemental entrelaçado, um ser vivo que existe para ser o que é. Assim, a única forma de reviver uma memória, é fazendo o que o próprio termo diz: revitalizar aquilo que estava guardado, para que vitalizado, expresse-se, permitindo a concepção de uma resposta;
33) Após entrelaçadas todas as memórias sobre maçã, após verificados os conceitos de gostar, após a vinculação com o que é gostar para vc, tudo isto une-se em um conglomerado que vai ser analisado. Após a análise inicial, por Manas, é feito uma Segunda camada de interação, recuperando formas mais distantes, conceitos mais distantes, e uma análise do meio em que é feita pergunta, quem fez a pergunta, e qual deve ser a resposta;

34) A primeira análise de Manas sempre corresponde ao conceito de verdade, pois é o resultado puro e simples do entrelaçamento. A Segunda análise, levará em consideração, por exemplo, se não interessa a quem perguntar saber isto, se eu não quero dizer a verdade a quem perguntou, se aquele não é o momento de dizer a verdade, se eu intencionalmente quero emitir outra opinião, etc, etc. nesta Segunda etapa onde é pré-formata a resposta, entra em análise os entrelaçamentos do astral, as emoções, ainda sob a tutela de Manas. Aqui, são fabricadas as meia verdades, as mentiras, as distorções, as omissões ou, se é exercida a vontade, aqui a verdade vence e é então preparada para ser exteriorizada;
35) Uma vez entrelaçada a resposta, isto através de um karma endriani, um órgão de ação, neste caso, a fala, o impulso elétrico desde de Manas/Astral para o vital, que por sua vez estimulará os órgãos correspondentes elétricamente, verbalizando e complementando: “n ã o e u n ã o g o s t o d e m a ç ã p o r q u e q u a n d o e u e r a c r i a n ç a e u m e e n g a s g u e i” e em paralelo, é comandada uma alteração facial e um movimento de negação com a cabeça;
36) Toda esta análise espaço-temporal é feita quase que instantaneamente, a cada impulso que recebemos do exterior, através da visão, audição, etc, nos permitindo uma análise permanente do mundo que nos cerca, e a tudo transformando em imagens;
37) Esta análise citada como exemplo envolveu a recuperação de emoções de infância, do conceito do que é gostar, do conceito de gosto de maçã, do conceito de medo (de Ter sido engasgado), etc. Foi levada a efeito pelo cérebro esquerdo, que analisou, encadeou e comandou, sem necessidade de abstração;
38) Como é o hemisfério esquerdo que analisa, decide e comanda, somente aquilo que não é passível de análise concreta, somente aquilo que não exista conhecimento concreto encadeado a respeito, será compartilhado com o lado direito. Por exemplo, a análise de uma obra de arte, para o lado esquerdo é enfadonha, demorada e incompreensível, pois implica no uso de conceitos como beleza, abstração, intuição, imaginação, etc, tudo inerente ao hemisfério direito que, por sua vez, liga-se a mente abstrata;
39) Se alguém lhe pergunta: vc é feliz? Isto será traduzido, serão pesadas, medidas e contadas todas as coisas que são consideradas são consideradas razões para vc estar feliz (quer dizer, aqueles desejos que estejam alimentados no momento), são pesadas, entrelaçadas, medidas e contadas, todas aquelas razões que vc possa ter para não estar feliz (quer dizer, todos aqueles desejos ainda não alimentados), mas todas aquelas razões não resolvidas(quer dizer, todas aquelas mágoas, receios, medos, angústias, necessidades, palavras não ditas, palavras não ouvidas, ações não executadas). Quer dizer, serão vivificadas todas as formas vivas existentes em vc, para que entrelaçadas, permitam a análise de Manas. Feita esta primeira fase do encadeamento, novamente, parte-se para a Segunda, que é se a verdade deve ou não ser dita, se haverá um véu encobrindo-a no momento de ser verbalizada ou não. Ainda assim, toda esta análise caberá a mente concreta;

40) Quando sentimos criamos seres! E quando estas sensações são dirigidas a alguém ou alguma coisa, a criatura, a criação, a emoção parida é vitalizada fica ligada a imagem da pessoa para quem esta emoção foi dirigida. Aqui vem o primeiro uso de “ad mirar”. O responsável pela criação da emoção olha(fisicamente, ou mentalmente) para aquela pessoa a quem a emoção é dirigida, e a ela entrelaça a sua criação. A emoção criada é alimentada por quem a cria, e age naquela a quem ela foi dirigida;
41) Toda emoção sentida é criada. Assim como todo pensamento, desejo, etc. Se vai cumprir com seu papel, ou com a razão para o qual foi criado, dependendo da intensidade vital e da consciência com a qual tenha sido criado;

Sobre o uso do “Depois que sempre “ – Parte 5: A mecânica da felicidade e do sempre
42) Quando uma pessoa diz: que felicidade, isto é traduzido e encadeado pela mente concreta (razões e emoções) a tudo aquilo que originou esta sensação de felicidade. Então, a razão da felicidade é que vai determinar a abrangência, as ramificações, os entrelaçamentos deste novo ser (felicidade específica) no plano que lhe é de direito;
43) Se houvesse a compreensão do que é o conceito de sempre, somente o seu uso já faria com que a análise e entrelaçamento de uma frase onde o mesmo fosse usado, fosse feita pelo hemisfério direito do cérebro. Mas geralmente, o ser humano vai interpretar sempre com o hemisfério esquerdo, e para o hemisfério esquerdo, o sempre não é o eterno, o sempiterno. O sempre é o registro mantido desde o nascimento até o presente momento;
44) Então, se dissermos “eu sempre fui feliz”, como uma afirmação criadora, para que seja gerado um conglomerado vital transformador, esta afirmação vai ser analisada pela mente concreta, pelo hemisfério esquerdo. E o hemisfério esquerdo, a mente concreta, vai trabalhar e analisar somente o seu inverso conhecido, somente os registros aos quais ela tenha acesso. E então, vem a negação e por decorrência, a desvitalização daquilo que foi dito. “Mas quando eu tantos anos, meu cachorro morreu” vai lembrar a mente concreta, e mais uma grande quantidade de “ mas quando eu...”. Assim, junto com a potencialidade vital criada com a afirmação “eu sempre fui feliz” vão estar entrelaçadas aquelas formas vitais, aqueles elementais, aquelas lembranças que se alimentam de dores e precisar ser lembradas. Então, viverão da felicidade emanada da afirmação “eu sempre fui feliz”, e disto nada vai sobrar, e nenhum efeito vai Ter na prática, pois, “no fundo”, a pessoa que falou isto vai saber que não é uma afirmação verdadeira, pois ela não foi sempre feliz, pois um dia, “chegou atrasada a uma festa, ou não conseguiu o “grande amor de sua vida”, etc;. Artifícios de sobrevivência dos seres do astral: alimentarem-se de seus entrelaçados;
45) Se houvesse a perfeita compreensão do que é o Sempre, e para isto é necessário uma análise da mente abstrata, do hemisfério direito do cérebro, pois o sempre é a união do passado, presente e futuro, coisa que existe antes do tempo e depois do tempo, portanto, realidades inegáveis;
46) O sempre então é a própria manifestação e expansão da matéria. E devemos lembrar que na gupta vidya, as designações de medição de tempo e matéria são a mesma, donde se conclui que o tempo é só a expansão da matéria manifesta no plano. Um truti(0,66 centésimos de segundo solares) é o que compõem uma unidade de Prana, e é um reflexo do todo, e emana este reflexo em todas as direções, é uma unidade independente de vida cósmica, agindo em elíptica, influenciado desde os átomos que formam o corpo do home, até o movimento dos sistema solares, galáxias e do próprio universo;
47) Estes trutis são os mantenedores, por exemplo, do plano mental, pois cada um deles tem em si a consciência do plano todo, e em si, cada um, é uma mente individual. Da mesma forma, no plano astral, cada truti é em si uma alma(microcósmica) individual. É nestas unidades cósmicas que se propagam no universo os pensamentos e emoções;
48) Como cada encadeamento significa um ser vivo (uma emoção, ou uma memória) que vai ser acordado, vivificado e entrelaçado, quanto mais ampla a felicidade, maior é o bem estar orgânico, pois todas as formas ativadas, vão gerar a correspondente produção de substâncias no sistema endócrino, ativado via vital, a partir das ações/decisões do astral/mental;
49) Quando uma pessoa diz : que maravilha de felicidade!, a criação já é de outra estirpe, pois a felicidade criada tem que estar entrelaçada naquelas coisas que na mente concreta/astral do criador, sejam sinônimos de algo maravilhoso. Isto faz com formas mais sutis, mais elevadas, ligadas ao que se entende por maravilhoso, sejam ativadas, entrelaçadas, com a decorrente geração de substâncias equilibrantes e revitalizadoras do sistema endócrino;
50) Devemos lembrar aqui, que quanto mais usado o lado direito do cérebro no processo mental, mais abstratos são os conceitos tratados, e portanto, mais abrangentes no plano e, portanto, maior a carga de energia sutil que se derrama ao chakra cardíaco, sede da razão, mas abraçado ao Timo;

Sobre o uso do “Depois que sempre “ – Parte 6: O depois do Sempre

51) Como para potencializar uma criação mental ou astral, o desejável é que ela seja o mais sutil possível, e também o desejável é que ela seja tratada pelo lado direito e não pelo lado esquerdo (que faz com que os pesos das dores e amores de cada um permeie toda criação mental/astral), é necessário que se crie um artifício linguístico, ou uma estratégia que permita ao gênio da linguagem agir em toda a sua potencialidade;
52) Mas, então, é necessário outra estratégia para permitir a criação integral do que é pensado/sentido. Por isto, usa-se o termo “ depois que”, pois depois implica em uma posição de análise temporal (ou física) feita a partir de um ponto fora do objeto ou evento. Desta forma, como o “sempre” abarca tudo para a mente concreta, o “depois que sempre”, obrigatoriamente vai ser enviado para análise como algo abstrato e, em sendo abstrato, todas as suas decorrências, inter-relações e entrelaçamentos vão ser levados a efeito em sua plenitude, sem as sanções e limitações da mente concreta, permitindo que a forma criada alce vôo integral;
53) Se aliado ao “depois de sempre”, vc cria não algo dirigido a uma pessoa, mas algo dirigido a toda a humanidade, este pensamento/emoção é um verdadeiro Deva, que vai abarcar todo o plano que lhe dá origem, transformando-o, e gerando efeitos que cairão como um agradável orvalho em manhã de primavera;

54) Este é o efeito de “ que maravilha depois que sempre a humanidade foi ...”: uma forma integral, projetada em sua essência, para toda a humanidade, a partir da mente abstrata, com as características que lhe são inerentes, e que irá agir entrelaçando-se com todos os seus semelhantes.

Sobre o uso do “Depois que sempre “ – Parte 7: Concluindo
Então,
a) Veja que realmente é uma forma completamente paradoxal de ver o universo e agir nele, colocando-se após a própria manifestação. Isto é um novo paradigma, não só linguístico)como disse antes), mas também de compreensão, pois coloca o ser humano em seu lugar de origem, depois do finito;
b) Não há ironia na frase, pois a ironia viria como a Segunda etapa, ou Segunda máscara da análise da mente concreta/astral, e neste caso, a criação é integral da mente abstrata. E Mente abstrata é parte do Eu Superior, desconhecendo, portanto, qualquer antropomorfização de sentimentos básicos, divinos, o que podemos dizer que emanam de vontade, amor-sabedoria e atividade consciente;
c) É uma forma estranha, n sentido de fora de, e neste caso é intencional, pois o fato de a colocarmos fora da possibilidade de análise da mente concreta, significa que a ela damos asas, integral e literalmente;
d) A maravilha do uso da palavra maravilha nesta expressão, é pura teurgia, pois quando olhamos para alguma coisa no invisível, esta alguma coisa olha de volta para nós. E isto está expresso no termo maravilha, que se pode admirar, que se pode ver. Sendo como eu disse o ad, o indicativo de vc Ter que estar frente a frente com o que vc olha(mira). Assim, entender e sentir-se maravilhado por ver a humanidade depois que ela sempre foi feliz, significa estar frente a frente com o futuro ainda não visível desta mesma humanidade, quer dizer, o futuro divino, que deve ser materializado; A magia depende muito mais do entendimento do mago, do que dos instrumentos que ele utilize. 
Há um termo “ spes messis in semine”, a esperança da colheita reside na semente(lema da Eubiose). A frase em questão no momento (que maravilha depois que sempre a humanidade foi ....) é exatamente a prática mágica do “spes messis in semine”, pois cada uma destas emoções superiores, criadas e expressadas nesta forma, vai semear com amor fraterno consciente muito além de onde a visão humana alcança.
É um assunto vasto, e procurei apensa dar algumas direções, para que cada um possa “ad mirar” aquilo que lhe é de direito, lembrando ainda que do mirar, vem o speculum, donde espelho, sendo as formas que identificamos externamente, reflexos daquelas que temos em nós.
Contudo, relembro que iniciação é algo seríssimo, pois tem a ver com a existência não sá da vida em si, mas da própria ação do Eu Superior em sua busca de compreensão do mundo mais denso, então, qualquer conhecimento que seja compartilhado, o deverá ser feito com parcimônia e respeito ao seres humanos que possam vir a lê-los. Esta é a ética do discípulo, do peregrino. Isto é o que permeia qualquer conhecimento que eu tenha e compartilhe. Tudo depende de nossa capacidade de ver: por exemplo, para uma pessoa no equador, o branco é uma única tonalidade, que se esmaece diante das cores do seu mundo. Mas para um esquimó, o branco tem varias tonalidades, pois ele vive em um mundo completamente branco.
Espero ter contribuído,

Fraterno abraço, boa caminhada."